- - https://rmr.fm -

Fúria Feminista: Contra a Militarização da Vida

Episódio 09 - Podcast em português produzido pela Radio Mundo Real e a Marcha Mundial das Mulheres.

O que é a militarização da vida? Como ela se articula com o poder corporativo e dos Estados? Como a militarização impacta a vida das mulheres?

Três companheiras feministas nos ajudam a refletir sobre a quem interessa militarizar vidas, corpos e territórios.

Nesta edição do Fúria Feminista, uma produção da Radio Mundo Real (RMR) e da Marcha Mundial das Mulheres (MMM), compartilhamos algumas reflexões de Indra Rocha, militante da MMM no Rio de Janeiro (RJ), de Dara Sant’Anna, da Marcha no RJ e do Movimento Negro Unificado (MNU), e de Lyda Forero, da Integración de Educación Ambiental y Social (Ideas).

Em maio, as três militantes participaram de um debate sobre a militarização e o racismo em três contextos diferentes [1]: Jacarezinho (Brasil), Colômbia e Palestina, organizado pela MMM Brasil.

A militarização da vida não acontece apenas em contextos de guerra, tampouco se resume às instituições militares concretas. Trata-se também de um sistema de controle baseado na influência e na presença de formas, normas, ideais e fins militares na sociedade como um todo.

No capitalismo patriarcal, a intenção da dominação se materializa na exploração e acumulação de riquezas presentes nos territórios ou na própria força de trabalho de mulheres e homens. Os mecanismos para exercer o controle e a dominação são efetivados por meio de instituições, valores e políticas que tentam justificar seus fins, mediante a aceitação e obediência. Por isso, o patriarcado e o racismo são essenciais para o desenvolvimento da lógica militar.

Neste programa, também recordamos Berta Cáceres, defensora do povo lenca que denunciou a militarização dos territórios e lutou contra o golpe de Estado em Honduras [2], atuando como coordenadora do Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras (Copinh). Nos próximos dias, deve ser conhecida a sentença sobre Roberto David Castillo [3], um oficial de inteligência e empresário, acusado de ser um dos autores intelectuais do feminicídio da feminista ambientalista, cometido em 2 de março de 2016. Com nossa fúria feminista, também exigimos “Justiça para a Berta!”.

 

Compartilhe este podcast feminista em sua mídia. Use a hashtag #FuriaFeminista e siga as contas no Twitter @radiomundoreal @marchamulheres @CapireMov